Sobre a União Europeia e os Projetos de Intercâmbio

Ser um estudante na União Europeia é bastante vantajoso. A “quase-federação” conta com 27 países membros, que são de livre acesso a qualquer cidadão da UE.

Deste modo, a realização de projetos de Erasmus ou de voluntariado, por exemplo, é muito facilitada e mais segura visto que se evitam as burocracias típicas da passagem de fronteiras, além de que todos os Estados Europeus se comprometem na defesa dos direitos humanos.
A turma 11ºB do presente ano letivo (2020/2021) da Secundária Ibn Mucana teve a possibilidade de fazer parte de um dos já mencionados projetos Europeus. A iniciativa  Erasmus+, Steps Towards Future,  contou com a participação de escolas da Grécia, Polónia, Portugal e Roménia. Tendo-se iniciado as atividades em 2018, o objetivo era concluir o projeto pela altura de maio de 2020, mas com o início da pandemia do SARS-CoV-2, o Erasmus+ teve de entrar num estado de hibernação, pelo que a última viagem a ser realizada – com destino à Roménia – foi adiada, concluindo-se ser impossível a sua realização devido ao estado de pandemia vivido em todos os países integrados neste projeto.

Inicialmente, e durante a realização das atividades, o projeto Erasmus+ “Steps Towards Future” contava com a presença integral das turmas, embora só um número limitado de  alunos participasse nas mobilidades. No entanto, esta situação alterou-se no mês de abril deste ano, quando foi decidido que a visita à Roménia seria virtual e não presencial, podendo esta escola apresentar aos seus parceiros as iniciativas desenvolvidas pelos seus alunos e professores. Assim, um número significativo de alunos das escolas greco-polaco-luso-romenas, reuniu-se entre 12 e 16 deste mês, numa sala virtual hospedada pelo zoom – um programa de telecomunicações.
Dando o meu testemunho como participante, afirmo com toda a certeza, que esta experiência foi bastante agradável, interessante e acolhedora. Foram-nos fornecidos dados históricos e geográficos acerca da Roménia, acompanhados pela apresentação de monumentos, da gastronomia local, e de outros aspetos culturais importantes. Foi um evento enriquecedor em muitos aspetos, que permitiu ainda uma comunicação entre alunos durante alguns períodos de tempo – intervalos de 10 a 15 minutos. Estes momentos foram importantes para a aproximação dos estudantes deste amalgama cultural, além de permitirem a criação de algumas amizades interculturais, que garantem a manutenção do enriquecimento cultural dos participantes.
Esta e muitas outras iniciativas que se vão desenvolvendo na escola integradas no Erasmus+ não teriam sido possíveis sem o a entrada de Portugal na União Europeia (a partir de 1 de janeiro de 1986).
Texto Escrito por Rodrigo Martins